BMW R1150GS
Memphis visto por Maria Isabel, leitora do site, viajante, e constante colaboradora em nossas paginas.

IMPRESSÕES DE VIAGEM


MEMPHIS

SURPREENDENTE E ENCANTADORA, FOREVER

Saindo de Carbondale, sul do estado de Illinis, nos dirigimos para Memphis, Tenesse, cruzando, antes, os estados do Missouri e Arkansas, com pequenas paradas permitindo relaxar do tempo dirigindo.
No caminho, muita vegetação seca ainda, mas ressurgindo aos poucos em plena recuperação do inverno recente.
Antigas vilas e bairros residenciais apareciam aqui e ali em meio a grandes fazendas. As construções antigas mostravam a idade das cidades cheias de história da colonização. Algumas no estilo colonial americano, outras com inspiração vitoriana, algumas mostrando uma beleza singela, mas que muito agradava aos olhos.
Margeando a estrada, às vezes víamos enormes plantações começando a brotar e a mostrar o verde exuberante da vida; outras vezes, somente a terra preparada para receber sementes de milho, trigo ou soja.
Depois de 320 kilômetros rodados chegamos a Memphis, o verdadeiro berço dos blues e da casa do Elvis Presley.
Nossa visita foi rápida e intensa. Começamos pela antiga residência de Elvis Presley, adquirida por ele em 1957, e transformada em museu desde seu precoce falecimento, em agosto de 1977, aos 42 anos de idade.
A mansão chamada Graceland, na frente com vasto gramado e altas árvores, toda murada, guarda nos fundos o túmulo deste símbolo maior do Rock 'n Roll. Um mito que assinalou um período com este ritmo musical, e tem marcado muitas gerações propiciando a seus seguidores imitações e carreiras, por vezes, medíocres, se comparada ao próprio.
Elvis Presley é uma idéia, uma marca, uma lenda e Graceland está lá para mostrar sua força,; seus pertences, seu carro, seu avião chamado Lisa Marie, em homenagem a sua filha. A casa, internamente, dizem ser de uma decoração muito simples. Filas enormes para o ingresso de visitação, e os fãs mais emotivos nao escondem as lágrimas. Todo um comércio gira em torno da marca Elvis, cujo faturamento já gerou mais dólares do que ele havia feito em vida, e que foi muito.
Memphis respira Elvis Presley. E blues. O Teatro Orpheu onde ele começou a se apresentar e a fazer os primeiros requebros, a primeira gravadora, estátuas. Uma no centro da cidade e outra no Centro de Informações Turísticas junto ao Rio Mississipi, quase um museu pela variedade de peças históricas como fotos da Tina Turner em começo de carreira ao lado de muitos outros nomes famosos dos blues. Aí também está a estátua do não menos legendário B.B. King, que ao vivo pode ser assistido em apresentações esporádicas no seu bar, que leva o mesmo nome, em meio a Beale Street, reduto da vida noturna naquela cidade.
Eu diria que é o menor espaço abrigando numerosos bares, cafés e restaurantes temáticos, que fervilham mesmo ao cair da noite. Beale Street é mais um pedaço de história em Memphis e lá está o lugar, exatamente, onde em épocas passadas, nasceram os blues, esse ritmo saudavelmente gostoso. Saudável porque, diferente do rock e alguns outros ritmos, permite ser apreciado sem a doideira dos altos volumes. Sentar e assistir a uma apresentação de bandas de blues, significa se entregar ao som tirado da guitarra e da gaita de boca, e ao mesmo tempo poder comer e conversar com os amigos (ou encantar-se sozinho), sem agredir seus ouvidos, sem o frênesi da mente, mas com o êxtase da alma; total eutimia. E eu que levei tantos anos para conhecer esse tipo de música…
Estranhamente, idos os anos, os blues evadiram o Tenessi e viraram marca registrada de Chicago, mas isso é outra estória.
Ainda na Beale Street, encontram-se discos e toda sorte de lembranças desses temas, alguns muito criativos e de bom gosto. Lojas de decoração bizarra, colorido abundante, tudo ao rigor da influência afro. Umas poucas quadras de puro deleite dos olhos.
O tradicional é comer Barbecue Ribs acompanhado de baked beans, steak fries e toast preparados no estilo southern. Esse prato traduzido, é uma costeleta de porco de bom tamanho, envolta em vários e deliciosos molhos e grelhada, mais batata frita cortada em largas tiras e feijão adocicado, temperado com outros tantos molhos e assado no forno. É isso, vai ao forno. Depois de tantos deleites de outros orgãos, o estômago agradece essa especial atenção. Hummm….. Fica a sugestão do Blues City Café para tal façanha.
Memphis tem alguns prédios muito bonitos de antiga arquitetura, tem o Rio Mississipi, tão importante que foi no desenvolvimento da economia dos Estados Unidos em eras passadas, e passeios de barco; tem também o Peabody Place - um amplo local de entretenimento -, tem museus, tem trolley, tem natureza. Mas com a "energética" presença do Elvis Presley e com um quarteirão de intensa atividade cultural e musical, quem vai se importar com o resto? Saia do tradicional e inclua Memphis no seu próximo roteiro de viagem.


MARIA ISABEL MARTINS
Abr /2002


Beale Street


Beale Street Vitrine


Elvis Presley House


Elvis Presley Statue